VÍDEO: Fantástico mostra como funcionava o esquema de corrupção no futebol da Paraíba

0
341
Tadeu Schmidt comanda o programa dominical da TV Globo

Um esquema poderoso e que envolvia muito dinheiro. De um lado, dirigentes; do outro, justamente aquele que deveria primar pela imparcialidade: o árbitro de futebol. A reportagem deste domingo do Fantástico, da TV Globo, mostrou como funcionava o esquema de corrupção e manipulação de resultados no futebol paraibano.

A reportagem teve acesso aos documentos e às escutas telefônicas. Foram mais de 100 mil conversas de 115 telefones monitorados pela Polícia Civil e pelo Ministério Público da Paraíba. O Fantástico apresentou alguns jogos onde houve uma forte interferência nos bastidores. De acordo com as investigações, o Botafogo-PB foi o maior beneficiado – ou, pelo menos, aquele que mais agiu para tirar proveito.

Num dos trechos gravados pela Polícia, aparece uma conversa suspeita entre o vice-presidente de futebol do Botafogo-PB, Breno Morais, e o então presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, José Renato Soares – que acabaria afastado do cargo no dia 20 de abril.

Para o delegado Marcos Paulo Vilela, as escutas e os documentos apreendidos na operação desencadeada no dia 9 de abril já são suficientes para comprovar a corrupção no futebol paraibano. “Os torcedores, cidadãos de bem, que pensam que estão ali se divertindo, estão sendo enganados por uma verdadeira organização criminosa”, descreveu o policial.

Numa outra ligação monitorada com Tarcísio José, logo após o jogo contra o Treze, o dirigente do Botafogo-PB fala abertamente sobre a escala da partida entre Nacional de Patos e CSP, que interessava diretamente ao Belo.

De acordo com as investigações, o Botafogo-PB conseguiu emplacar árbitro e assistente do jogo em Patos. O Nacional perdeu por 2 a 0 e teve até um gol anulado em lance polêmico. O resultado acabou sendo determinante para o Botafogo-PB terminar em segundo lugar na tabela e o time sertanejo teve que disputar o Torneio da Morte, lutando contra o rebaixamento.

O esquema, ainda de acordo com as investigações, funcionava há pelo menos três anos. Mas nem sempre dava certo, como aconteceu na partida entre Atlético de Cajazeiras e Sousa, também no dia 18 de fevereiro. Novamente era o Botafogo-PB o interessado no resultado, dessa vez, na vitória do time da casa – pelo mesmo motivo, uma vez que o Sousa também brigava com Nacional e Botafogo-PB pela classificação.

A reportagem do Fantástico procurou Breno Morais, mas ele não atendeu os recados deixados em seu telefone e nem retornou as ligações. Em seu depoimento à Polícia, o dirigente preferiu o silêncio. “Prefiro exercer o meu direito de ficar em silêncio”, disse.

Em nota, o Botafogo-PB disse que “preza pela ética e que ninguém pode ser condenado antes do fim de um processo”.

São 85 pessoas investigadas pela polícia e pelo Ministério Público. Dirigentes, ex-dirigentes e árbitros. Mas, até aqui, nada indica que os jogadores tinham conhecimento de todo esse esquema. Um dos delegados à frente do caso, Lucas Sá confirma isso.

Confira a reportagem na íntegra:

Veja também:

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY